sábado, 22 de julho de 2017

"Um novo livro e um novo autor"

Três Barras já conta com mais um autor na literatura.
José Francisco de Souza, pedagogo e muito interessado na história local, acaba de escrever um livro na linha infanto-juvenil: "Contos e Crônicas de Três Barras".Tendo participado do concurso literário "Cem Cópias, sem custo" no Estado de Santa Catarina, foi classificado com mais seis autores, a receberem o prêmio no último dia 10 de julho, em Florianópolis.

O autor entre seus familiares, durante a premiação.


O livro é um resgate de vários contos locais, que foram contados por pessoas da família, quando o autor era criança.Entre tantos, vale destacar: "A lenda da noiva", "No caminho dos bugres" e "A panela de dinheiro".Envolvendo o real e com o imaginário, o autor conseguiu manter a ação sempre relacionada à história de Três Barras.O Campo Militar, o cinema, a Lumber, a escola, as costureiras e tantos outros temas foram transformados em contos, tornando o livro agradável e divertido.O lançamento do mesmo está previsto para setembro próximo.Mas as pessoas de fora de Três Barras poderão pedir através do e-mail: zezinho0484@gmail.com

Autor autografando o livro para os convidados.

Livro: "Contos e Crônicas de Três Barras" (2017).

José Francisco de Souza - Florianópolis - SC

sexta-feira, 10 de março de 2017

"Os 100 anos da Estação Ferroviária".

A Estação Ferroviária de Três Barras, inaugurada em 1916, surgiu por necessidade da Empresa Lumber dar escoamento à sua produção aos portos de São Francisco do Sul e Paranaguá.Porém, ela não serviu apenas aos interesses da Lumber.Passou a ser utilizada por todos os moradores da cidade, que só viajavam com o trem.Por sua vez, o trem foi durante décadas, o principal meio de transporte dos tresbarrenses.Muitos recém-casados costumavam marcar a cerimônia conforme os horários dos trens.Pois, para sair em lua-de-mel, tinham que pegar o trem.




 Nossa Estação foi testemunha de muitas histórias e prosseguiu com suas atividades até o início dos anos 90.Depois foi desativada e transformada em Museu Municipal a partir de 1997. No museu está preservada boa parte da história local, através de fotografias, objetos e documentos.Uma máquina maria-fumaça antiga, que pertenceu à Lumber, está em exposição ao lado do museu.Em 2016 a Estação comemorou seu centenário e havia promessa de que aconteceria um evento alusivo à data.Porém, nada foi realizado.Uma pena, visto que temos tão poucas atividades culturais.


 O livro "Casa Brasileira" , de autoria de Jorge de Souza, ex-agente ferroviário, que trabalhou nessa Estação, fala muito sobre a importância da mesma nas décadas de 40, 50 e 60.



Museu Municipal

Se você quiser adquirir o livro "Casa Brasileira", basta enviar uma mensagem para o e-mail:zezinho0484@gmail.com
 Em Três Barras o livro está à venda na Papelaria Fábio e Jr. e no Mercado Denk.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

"Lumber e Campo Militar"

Três Barras no passado, tinha na grande empresa dos americanos, a Lumber, a sua maior fonte de trabalho e riqueza.Em 1940 a Lumber passou ao governo brasileiro que continuou em atividades até fins de 1951.Em setembro de 1952, todo o patrimônio deixado pela Lumber passou ao Exército Nacional, que criou em Três Barras o campo de manobras: Campo de Instrução "Marechal Hermes".
   Nessa área residiam mais ou menos umas trezentas famílias (antigos funcionários da Lumber) e outros tresbarrenses que não tinham onde morar.Também na área do Campo Militar (uma área reservada) ficavam todos os meios de entretenimento local: cinema, campo de futebol, parque infantil, salão de baile (Cassino dos Oficiais).
   Os militares que residiram em Três Barras, desde a década de 50 até início do ano 2000, sempre tiveram boa amizade com os tresbarrenses, permitindo que todos desfrutassem daquele espaço, sem o menor problema.Foi uma época que deixou saudades.


 Baile no Cassino dos Oficiais - 1960.
 Estádio de futebol - 1960
Baile no Cassino dos Oficiais - 1960 


O time do Três Barras - 1960

Jovens tresbarrenses no campo de futebol - 1960

Com o passar dos anos, os espaços recreativos do Campo Militar (cinema, estádio de futebol e os bailes) deixaram de existir.E isso causou um grande vazio na vida da comunidade.Nos anos 80 foi construído um Ginásio de Esportes e mais tarde, outro Ginásio ainda maior, com a finalidade de proporcionar entretenimento.
Porém, a extinção dos clubes "Entre Rios" e "Sociedade União Operária", deixaram um vazio maior ainda.




O descaso com a comunidade é tão grande, que o prédio da Sociedade União Operária está caindo aos pedaços e as autoridades continuam de braços cruzados.Que espécie de cultura é essa?
Ontem a cidade era bem menor, mas o povo era mais unido e tinha mais honra.Hoje, as pessoas se escondem com medo de defender "uma causa de bem comum".
Há quem ache os tresbarrenses muito saudosistas, lembrando de coisas boas no passado.Mas o que podemos dizer do nosso presente?

sábado, 20 de agosto de 2016


"RECORDAR É VIVER"

Formatura do Grupo Escolar "General Osório" - 1969

Consultando os arquivos da Escola, encontrei o convite de formatura de 8ª série, da turma de 1969. Ginásio Normal "Otaviano Livramento".
A solenidade de formatura aconteceu no dia 22 de novembro, com missa às 18 horas, entrega de diplomas na Sociedade União Operária às 21 horas e baile a partir das 22 horas.Eram os formandos:



  • Ademar Drugos.                                                                Angela Jenzura
  • Alcides Adriano.                                                               Bernadete Krauss
  • Bartholomeu Chimiluk.                                                     Ilka Brauhardt  
  • Fernando Sardá.                                                                Jocelma Todt
  • Francisco Medeiros.                                                          Maria Dirce Stalicz
  • Gabriel El-Kouba .                                                              Noemi Olcha
  • Gerson Eduardo de Souza.                                               Otacília Luci Corrêa
  • Jorge Luiz de Souza.                                                         Regina Célis Gomes
  • José Emiliano Uba.                                                            Rita de Cássia Freitas
  • José Rodrigues.                                                                 Terezinha Ferreira
  • Luiz Fernando Olsen.                                                         Terezinha Ladaninski
  • Luiz Renato Kotlevski.                                                       Tônia Massaneiro    
  • Odinir Costa.                                                  
  • Otoniel Bedretchuk.
  • Sérgio Ferreira.
  • Teófilo Falckievicz.
Oradora: Bernadete Seleme Moskwyn

Era um tempo em que o ambiente escolar tinha muito encanto.Os alunos anseavam em aprender mais e mais.Os professores eram tratados como personalidades, considerados os mestres do saber.As férias escolares eram praticamente quatro meses: o mês de julho, quase todo o mês de dezembro, janeiro e fevereiro inteiros, retornando só em 1º de março.E todo mundo aprendia, os conteúdos eram cumpridos e as palavras do Diretor e do Professor eram soberanas no ambiente escolar.Hoje, muitos valores deixaram de existir.


sábado, 28 de novembro de 2015

"Um passeio pelo CIMH dos anos 60"

Venha comigo e deixe-se levar na máquina do tempo, passeando no CIMH dos anos 60.Com as poucas e raras fotografias que consegui, tentei fazer este vídeo para matar as saudades daqueles tempos.Se você também conviveu com o Campo Militar, com certeza gostará deste filminho produzido por um tresbarrense que residiu naquele espaço durante os anos de 1965-1970.Velhos tempos, belos dias.


video

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Você conhece nossos autores?

Três Barras já conta com vários autores na literatura.
Seja na ficção, história, poesia ou memórias, a cidade cresce culturalmente cada vez que uma nova obra é publicada.Mas, se você acha difícil publicar um livro, saiba que mais difícil é vender.Pois, nem sempre os autores recebem o merecido reconhecimento por parte do município que representam.Tentativas esparsas de professores de literatura numa ou outra escola, costumam levar os autores até as salas de aula, para que se tornem conhecidos.Fora isso, o município por sua vez pouco faz ou nada faz em favor desses autores.Destaco aqui:

* Jorge de Souza, com o livro de memórias "Casa Brasileira", onde nos conta sobre como era a Três Barras de ontem e a convivência com a maior serraria da América do Sul, a empresa Lumber.Um livro que merece ser lido por todos que desejem conhecer um pouco mais da história tresbarrense, com detalhes que só o próprio autor conviveu.



* Giseli Corrêa, surgiu na literatura tresbarrense com uma obra de ficção na área do infanto-juvenil.Um livro muito apreciado pelos estudantes, "Descobrindo Ariete", encantou muita gente.O talento da jovem autora pode ainda nos proporcionar muitas outras obras com certeza.



* Francisco Vitoski, um autor de muito talento, cujas obras "Flor de lis" e "Legião dos inconformados", despertou a atenção dos leitores.Seus livros contém acima de tudo, um grande potencial de pesquisa a respeito do tema abordado.


* Matilde Olsen, creio que foi a primeira corajosa a publicar um livro em Três Barras, lançando em 2003 "Sementes de Girassol".Mais tarde, publicou um trabalho menor, mas de certo interesse no que se refere ao tema "Contestado".É de 2012, seu livro "A cultura que permanece no contestado e reflexões".



* Andréas Carlos Costenaro, um jovem autor que entrou para o meio literário com um livro de poesias. Sua obra "Uma observação", lançada em 2012, tem sido apreciada por muitos leitores.Reunindo 54 poemas, o autor expressa seus sentimentos abordando temas diversos.


* Soeli Regina Lima, professora formada em história, a autora publicou algumas obras de conteúdos históricos, feitas por encomenda.Em Três Barras foi autora do livro "A trajetória do poder legislativo tresbarrense", publicado em 2011.E também "A guerra do Contestado em sala de aula", em conjunto com Marli Antunes, no ano de 2010.Em União da Vitória - PR, publicou "Memórias que cantam e encantam: Coral Universitário Fafi", em 2011.



Esses são alguns dos autores tresbarrenses, cujas obras mereciam ser mais apreciadas e mais conhecidas do público local.Há uma grande propaganda por parte da imprensa com relação a investimentos na Cultura, mas que na verdade não passa de fachada.Só mesmo o autor é que sabe quais são os custos para editar um livro e a dificuldade para retirar aquilo que investiu.O resto é tudo papo furado, conversa fiada e demagogia.Ninguém financia ninguém.Quer escrever um livro?

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

"Selo comemorativo"

Em homenagem aos 54 anos do município de Três Barras, está circulando um selo que leva a imagem do Museu Municipal e do trenzinho.É sem dúvida, um meio de divulgação turística para nossa cidade, tão cheia de histórias e com grande potencial histórico.Através das correspondências enviadas, o selo chegará às mãos de diferentes pessoas, nos mais diversos lugares.A imagem escolhida foi de muito bom gosto.

Museu Municipal, referência na história tresbarrense.